Circuito das frutas: a explosão de cores e sabores, que despertam a todos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Circuito das Frutas, fica a menos de 100 km da capital e é formado por 10 municípios; Atibaia, Indaiatuba, Morungaba, Itatiba, Itupeva,Jarinu, Jundiaí, Louveira, Valinhos e Vinhedo. São cidades do interior de São Paulo que tem sua economia desenvolvida, mas que não deixaram de lado seu potencial produtivo dedicado ao cultivo de frutas, cada cidade tem uma fruta que a representa. Nessa região são produzidos figos, morangos, caquis, goiabas, ameixa, pêssego e uva. Uma verdadeira riqueza do interior paulista.

Anualmente, acontecem nessas cidades festas típicas que reúnem milhares de pessoas, pois é quando ocorrem as exposições e o concurso das frutas (geralmente instalados em recintos próprios para a festa), com danças típicas, degustação e comercialização das frutas. Como em toda boa cidade de interior, encontraremos nessas cidades além das deliciosas frutas, a igreja da matriz, a praça, marcos históricos, o artesanato e a tranquilidade do interior.

Além de conhecer as belezas naturais de cada cidade, os viajantes podem fazer vários outros passeios, como visitar as adegas de vinho artesanal e licores; conhecer as fazendas históricas de café; descobrir os apiários e orquidários, comprar nos alambiques de cachaça, almoçar nos restaurantes que servem comidas típicas da região, fazer passeios à cavalo, entre outras atividades.

Cerca de 70 propriedades fazem parte do polo turístico do Circuito das Frutas. E produzem cerca de 236 mil toneladas de frutas, correspondendo a 40% da produção nacional de frutas de mesa. O Circuito das Frutas atrai anualmente às cidades do circuito algo em torno de 240 mil turistas.

Jarinu

Jarinu se destaca pela produção da Ameixa Rubimel, ela simplesmente detém a maior produção do país, devido também à seu clima, considerado o 2o. melhor clima do mundo (conforme Unesco). O Alambique Ferrara instalado no Sitio São Pedro, oferece a tradicional cachaça, licores, linguiça caseira, um belo lago de criação de carpas, com uma linda paisagem natural. O café colonial servido lá é muito bom (sob reserva), pois o turista farta-se de bolos, pães, doces caseiros, frios, queijos e sucos. Na época de safra da cana-de-açúcar (de maio a novembro), o visitante pode acompanhar a produção de cachaça, preparada no local há 30 anos. Outra atração, é a lojinha Casa da Vovó, onde vende-se linguiça artesanal e pura de pernil feita lá mesmo, compotas, mel, manteiga, requeijão, ovo caipira, vinhos e artesanato típico de Jarinu.

Se a visita ao Sitio Pauletto for entre 20 de dezembro e final de janeiro, melhor ainda, pois é a época da safra da uva e o turista pode acompanhar a colheita e depois ver como se faz as bebidas. No entanto, se for em outra época do ano, Pauletto explica o processo com tanta riqueza de detalhes que mesmo sem a uva estar ali é capaz do visitante até sentir o cheirinho da fruta. Além de vinhos de uvas de mesa e finos, ele fabrica deliciosos sucos de uva e de ameixa, que não contêm conservantes. Estes estão disponíveis para compra o ano inteiro.

O sítio Santo Antônio produz lichias, pêssegos, poncãs e ameixas. Porém sua produção é voltada somente ao mercado, não oferecem programas para a visitação de turistas. O alambique Zanoni é conhecido por ser o “alambique do prefeito” porque seu criador, Guilherme, e o filho Júlio foram prefeitos de Jarinu. Sua cachaça artesanal é produzida uma vez por ano, entre os meses de julho e agosto. O produto é levado ao mercado depois de um ano de envelhecimento. O calendário de eventos de Jarinu destaca-se pela Festa da Ameixa, realizada no mês de dezembro e a Festa do Morango, com inúmeros pratos típicos, realizada no mês de junho.

 

Morungaba

Morungaba produz figos, uvas, pêssego e laranjas, mas a fruta que lhe dá fama para todo o Brasil é o maracujá. Além das doces frutas, produz compotas e condimentos. A cidade é muito conhecida pelos doces artesanais feitos à partir das saborosas frutas. Indo a Morungaba não deixe de visitar a Companhia das Ervas que comercializa vários tipos de temperos, a Doces David onde é possível encontrar mais de 50 tipos de guloseimas e o Empório da Cana, onde você encontrará a mais tradicional cachaça da região.

O circuito oferece aos visitantes inúmeras opções de passeios e atrações que exploram a vida rural. Dentre elas a Cervejaria Kremer – um empreendimento turístico integrado ao Circuito das Frutas, eles adaptaram suas instalações para se tornarem um atrativo turístico. Desenvolveu um roteiro onde se pode acompanhar o processo de fabricação do Chopp Kremer e ainda degusta-lo em companhia de um mestre cervejeiro. Na Boutique Kremer pode-se adquirir os produtos que mais lhe agradar.

Indaiatuba

Indaiatuba é a cidade das acerolas, é considerada uma cidade modelo, pois mantém a qualidade de vida do interior associada às facilidades da metrópole. O Sítio São José recebe os turistas num ambiente gostoso e acolhedor. Oferece várias opções de passeios à cavalo e pôneis, em trilhas diversas. Além disso, é possível fazer o Colha&Pague das uvas, mas somente em dezembro.

No Sítio São José você vai conhecer essa história familiar de 54 anos, saber da cultura, costumes e a forma de viver naquela época. Lá você vai degustar saborosas frutas de época e, após a caminhada pela propriedade conhecerá toda a rotina de produção: a poda, a condução, as técnicas utilizadas e, dependendo da época, degustando algumas frutas diretamente do pé: pitanga, jabuticaba, amora e lichia. Finalizando com a visita à cantina onde é feito o deguste dos vinhos, licores e geleias.

Atibaia

Reconhecida nacionalmente como a capital nacional do morango, Atibaia tem várias propriedades que oferecem uma experiência rural, aqui destacaremos a Fazenda Paraíso, uma típica fazenda de café de 1860. Suas instalações recebem turistas de todas as regiões do estado que vem para apreciar a típica comida caipira ou para fazer um passeio pela trilha (os roteiros são desenvolvidos de acordo com o grupo, considerando interesse, faixa etária e limitações). Todo sábado, esse cenário é embalado pela autentica moda de viola. Além disso, há um alambique datado de 1910, que produz ótimas cachaças artesanais em tonéis de cobre e envelhecidas em tonéis de madeira de lei.

Jundiaí

 

Jundiaí é reconhecida nacionalmente como a capital da Uva Niágara (agora produz morangos também). Por ser um rico polo industrial, contribui para a infraestrutura e a qualidade de vida dos moradores. Devido à riqueza da cidade, construíram o Parque da Uva, o local onde acontece anualmente a festa da uva.

O sítio São Vicente (da família Losqui), tem seu seleto pomar onde o visitante depara-se com parreiras, pés de seriguela, carambola, caqui e pitanga. Ao todo, são 50 variedades de frutas comercializados in natura ou transformadas em compotas, geléias e outras guloseimas. No sítio, os turistas são recebidos por uma banda que toca ritmos italianos.

É só o começo de uma série de atrações que incluem comidas típicas, passeio de trenzinho no meio das plantações, e o programa “colha e pague na roça”, que permite ao turista colher amora, seriguela e maçã. As parreiras da propriedade reproduzem uma variedade típica da Itália: a uva Isabel, a primeira a ingressar no Brasil. Confira o vídeo e conheça um pouco mais sobre o sítio São Vicente. Os passeios são feitos mediante reserva.

O Museu do Vinho foi criado há mais de 10 anos, com a ajuda de diversas famílias imigrantes da Itália e que se instalaram na regiãoÉ um resgate do passado, lá encontramos os utensílios que eram usados nas colheita das uvas em Jundiaí. A sala reúne objetos de diversas famílias, da época em que a colônia italiana se estabeleceu na região. O museu é uma grande pipa de vinho, uma verdadeira homenagem aos imigrantes italianos. O complexo Brunholi, inclui o museu, adega e restaurante. Um passeio completo.

A Adega e Restaurante Beraldo está em uma área rural com privilegiada localização, o local é agradável e envolvente. O restaurante tem bom cardápio com especialidades como o Risoto Caipira de Bacalhau, Costelas Suínas e Escalopes de Filé Mignon ao molho Roti, e vinhos artesanais da própria adega, com ótimos preços. Na propriedade há um quintal gramado, lago, pomares e um rio que corta o terreno o que torna o local ainda mais aconchegante e bonito.Para as crianças, tem lago com jacaré de brinquedo e muitas aves, uma ponte corta o riacho que é ladeado por muitas arvores. No quintal gramado tem mesas com guarda sol, é um local ideal para petiscar um bom queijo curtido no vinho, e saborear um vinho artesanal de ótima qualidade e preço.

Itatiba

Itatiba considerada a capital dos móveis rústicos, também produz anualmente quase 5 mil toneladas de caqui, considerado um dos melhores do pais, graças ao seu clima tropical de altitude. Reserve um tempo para visitar as plantações de caqui, morango e uva. Localizada num incrível cenário de colinas, serras e montanhas que desenham paisagens inesquecíveis. Tudo isso dá vida a uma terra rica em frutas de altíssima qualidade, que tornam a gastronomia da região algo superior, com a produção de vinhos artesanais, geleias, compotas e outras iguarias.

Para chegar à Fazenda Pereiras, o turista enfrenta dois quilômetros de estrada de terra batida. Porteira adentro, é possível ver o espantalho que protege a horta. O mirante lhe permite uma visão privilegiada da região, de toda a produção orgânica e o apiário da fazenda. Além de realizar a trilha e oferecer refeições com alimentos colhidos direto da horta, lá se comercializa tudo o que a fazenda produz. A certificação orgânica conquistada pela propriedade, lhes garante um valor agregado aos produtos.

Itupeva

Na Quinta Nossa Senhora Aparecida, pode-se acompanhar como se produz o vinho artesanal da família, fazer degustação de diversos tipos de vinho, conhecer a propriedade, e ter contato com a vida rural e a história dessa família tradicional de Itupeva. Na época da safra de uvas, pode-se participar do colhe e pague de uvas, colhendo-as na hora diretamente das parreiras. É necessário o agendamento – para grupos de no mínimo 40 pessoas.

O Sitio Sassafrás oferece ainda visitação gratuita à horta e ao pomar, para os visitantes que quiserem levar algo pra casa, podem colher, pesar, pagar e levar. A lojinha do sítio tem doces e queijos da região muito bem recomendados. É um ótimo passeio para a família, pois tem alguns animais para observar e interagir, o trenzinho (uma carreta puxada por um trator) que é pago à parte. Apesar do ambiente rústico, é extremamente agradável, limpo e muito bem cuidado. 

Indo a Itupeva, vá ao Sassafrás e não deixe de experimentar o café da manhã da roça nos finais de semana, convide a família para saborear broas, queijos, geléias, pães, bolos, frutas, café da fazenda e mais um montão de coisas gostosas ao som de música caipira. Mas chegue cedo, porque é muito concorrido. Depois colha frutas e hortaliças, enquanto as crianças passeiam a cavalo ou com o trenzinho, compre mel, doces, verduras, bebidas, artesanato. Volte para a sua cidade com o carro lotado de iguarias da fazenda e com aquele gosto de “volto logo”.

Valinhos

 

Em Valinhos o figo e a goiaba, simbolizam a cidade. E por conta disso acontece, anualmente, uma das festas mais conhecidas e visitadas do Circuito das Frutas, a Festa do Figo e a Expo Goiaba. Essas festas reúnem exposições de frutas e gastronomia, que inclui diversos doces e receitas com frutas, entre elas o delicioso figo de chocolate.Nos quatro alqueires da chácara Boa Esperança, não há solo ocioso, pois o que há é dividido para o cultivo de goiaba e uva. O que chama mesmo a atenção na chácara é a produção artesanal de vinho. Tio Mário encanta os visitantes com boas histórias. Para se ter idéia, nos fins de semana, a propriedade chega a receber 200 pessoas. 

O Sítio Kusakariba é simplesmente divino, a visita é monitorada pelo dono da propriedade, com possibilidade de degustar um almoço simples mas definitivamente majestoso. A goiaba e a seriguela são as frutas produzidas. Com aulas sobre goiaba e seriguela produzidas no local, além de vida na fazenda e outras árvores que apareceram no lindo e preservado sítio. Lá você tem a opção ainda de saborear o “café na roça”, com pães e doces produzidos no próprio sítio. Organize a visita com a família e amigos, pois eles só recebem grupos com no mínimo 20 pessoas, podendo inclusive reservar o Café na Roça. Com certeza vale a pena.

Vinhedo

Vinhedo é uma cidade cheia de charme, devido a seu nome, encontramos muitas plantações de uvas finas para fabricação do vinho, por isso não há praticamente locais que ofereçam o serviço e colha&pague, pois o tipo de uva é diferente da uva de mesa. Vinhedo realiza anualmente, em fevereiro, a Festa da Uva.

Imagine contemplar a bela vista de um parreiral e de quebra conhecer as histórias e a tradição da produção de vinhos. Na propriedade da família Ferragut é possível encontrar todas essas impressões. Desde a década de 60 ela dedica-se à vitivinicultura. O pico de produção local acontece entre dezembro e fevereiro, que recebe mensalmente 300 turistas. Variados tipos de vinhos ficam à disposição dos visitantes, que vão dos finos como pinot e cabernet, aos comuns de uva bordô.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

169 views