Dia Mundial do Queijo: conheça a história do Queijo de Minas

Queijo Minas (foto arquivo)

Simone Meirelles

 

Saudável, delicioso e prático. Poucos alimentos conseguem reunir tantas qualidades. No dia 20 de Janeiro é comemorado o Dia Mundial do Queijo. A data foi criada para celebrar este alimento milenar. Para comemorar esse dia, a Tirolez conta um pouco da história do queijo mais famosos do Brasil: o Minas. Autenticamente brasileiro, é também um dos mais consumidos pelas famílias brasileiras. Tanto que virou sinônimo de queijo branco.

Ninguém sabe ao certo quem foi o inventor dessa delícia, mas a história registra que ele começou a ser produzido no Brasil por volta dos séculos XVIII ou XIX, por imigrantes portugueses que colonizaram o Estado de Minas Gerais e trouxeram para o país uma técnica antiga de produção de queijo com leite fresco e coalho. O queijo Minas também deu início à história da Tirolez: foi fabricando esse queijo que a empresa nasceu, há 37 anos, na cidade de Tiros (MG).

Há basicamente três tipos de queijo Minas, todos feitos com leite de vaca: o Frescal e o Padrão, também conhecido pelo nome de Minas Curado. Como o nome já diz, o Frescal é um queijo fresco e com alta umidade. Para que o consumo seja seguro, deve ser preparado com leite pasteurizado, processo que mata microorganismos nocivos à saúde. Passa pelo processo de coagulação, corte e salga. Por ser um produto delicado e muito fresco, deve ser mantido no refrigerador. Seu prazo médio de validade é de 24 dias após a fabricação.

O queijo Minas Padrão é basicamente o mesmo queijo, porém é pré-prensado com soro (para que não tenha “furinhos” – ou olhaduras mecânicas, como são conhecidos tecnicamente) e maturado (ou curado, como se diz em Minas Gerais), um processo natural que deixa o queijo com um sabor mais acentuado. Esse processo de maturação é feito na embalagem, para não formar casca no queijo. Como há perda de umidade durante a maturação, o Minas Padrão tem uma textura mais sequinha. E há ainda o Minas Meia Cura, mais seco, tem menor tempo de maturação do que o Padrão.

O leite dele é padronizado e a prensa é diferenciada dos demais. A coalhada dele também é mais seca. Após a pré-prensagem, acontece a masseração (processo que mistura a massa novamente para gerar olhaduras mecânicas, característica deste tipo de queijo). O Meia Cura é o ingrediente principal do famoso pão de queijo. Como todo derivado de leite, o Queijo Minas, independentemente do tipo, é fonte de cálcio, mineral fundamental para a saúde dos ossos. Além disso, também contém proteínas, nutriente essencial para a construção dos músculos, e fósforo. Todos podem ser utilizados em sanduíches, na culinária ou acompanhando doces, como goiabada e compotas de frutas.

O queijo Minas é parte da história do Brasil e também da Tirolez, que não se contentou em oferecer aos consumidores apenas as versões tradicionais. A marca foi a primeira a colocar no mercado os cremes de Queijo Minas Frescal, nas versões Tradicional e Light. Para os que amam queijo, mas não podem consumi-lo em função da intolerância à lactose, a Tirolez oferece os queijos Minas Frescal, Minas Padrão Light e Creme de Queijo Minas todos na versão Zero Lactose. Aproveite o Dia Mundial do Queijo e prepare uma refeição e uma sobremesa à base do mais brasileiro de todos os queijos:

Salada Grega

Salada Grega

Ingredientes

Molho:

1 maço de dill (endro)

1 dente de alho (7 g)

Suco de 1 limão (30 ml)

¼ de xícara (chá) de azeite (50 ml)

1 colher (sopa) de sal

Pimenta-do-reino

Salada:

50 g de uvas-passas brancas

10 azeitonas pretas (60 g)

1 bandeja de tomates-cereja (150 g)

1 cebola roxa pequena (100 g)

1 pepino japonês (160 g)

270g de Queijo Minas Frescal Zero Lactose Tirolez (1 embalagem)

Modo de Preparo

Molho: pique bem o dill e o alho e coloque em uma saladeira. Por cima, esprema o suco do limão. Adicione aos poucos o azeite e bata bem com um garfo ou fouet (batedor de arame) até formar um molho. Tempere com sal e pimenta-do-reino recém-moída e reserve.

– Salada: hidrate as uvas-passas em ¼ de xícara (chá) de água quente (50 ml). Enquanto isso corte as azeitonas pretas em quatro partes e os tomates-cereja na metade. Corte a cebola roxa e o pepino em fatias bem finas. Por último, corte o Minas Frescal Zero Lactose Tirolez em cubos médios.

Escorra as uvas-passas e coloque todos os ingredientes sobre o molho na seguinte ordem: uvas-passas, azeitonas, tomates, cebola, pepino e Minas Frescal Zero Lactose Tirolez. Envolva a salada no molho minutos antes de servir.

Dicas:

– Para obter uma textura mais macia do pepino, distribua as fatias sobre um pano de prato bem limpo e salpique ½ colher (café) de sal sobre eles.

– Para diminuir o ardor da cebola, deixe-a de molho em água gelada e escorra antes de usá-la.

– O Minas Frescal Zero Lactose Tirolez pode enriquecer muitos tipos de salada, como tomate com manjericão, pepino, saladas de vagem, brócolis, espinafre, alface ou rúcula, ou outras folhas combinadas com frutas como figo e morangos. Para tirar melhor proveito, corte o minas frescal somente quando for preparar a salada, pois uma das características principais desse tipo de queijo é a umidade. Quando cortado e deixado reservado, é natural que solte bastante líquido, o que pode deixar a salada muito úmida.

– As saladas são sempre preparações delicadas. Essa forma de misturar os ingredientes no molho somente na hora de servir faz com que os vegetais permaneçam frescos e crocantes até o momento do consumo. Misturar a salada na saladeira é uma forma de ter uma salada mais saborosa, pois todos os ingredientes vão pegar o tempero da mesma maneira.

Variação: o dill (endro) pode ser encontrado em barracas de temperos de feiras livres, mercados municipais e grandes redes de supermercados. No lugar do dill, você também pode usar outras ervas frescas, como hortelã, manjericão, tomilho ou alecrim picado.

Brioche com Queijo Minas e Geléias

Brioche com Queijo Minas e Geléias

Ingredientes

1 brioche grande de padaria (500 g)

500g de Queijo Minas Frescal Tirolez (1 embalagem)

Geléia de morango com pimenta:

2 bandejas de morango em cubinhos (400 g)

3 pimentas-dedo-de-moça bem picadinhas, sem semente (36g)

¾ de xícara (chá) de açúcar (135 g)

Geléia de amora com cachaça:

1 pote de geléia de amora (310 g)

½ xícara (chá) de cachaça envelhecida (preferencialmente de alambique) (100 ml)

Geléia de goiaba com hortelã:

4 embalagens de polpa de goiaba (400 g)

1 xícara (chá) de açúcar (180 g)

½ maço de hortelã picado 

Modo de Preparo

– Corte o brioche em fatias grossas (2 cm) e, depois, corte cada fatia em 4 partes (essa será a base do seu canapé). Corte o Queijo Minas Frescal Tirolez em fatias de 1 cm e, em seguida, em quadradinhos um pouco menores que as bases. Disponha um pedaço de queijo sobre cada fatia de brioche e reserve.

– Geléia de morango: leve os ingredientes ao fogo, mexendo constantemente, por cerca de 30 minutos, ou até que a calda esteja em ponto de geléia (coloque um pouco de calda em um pires e pressione uma pequena porção entre o polegar e o indicador. Se, ao separar os dedos, formar uma calda fina, a geléia está no ponto).

– Geléia de amora: leve os ingredientes ao fogo e cozinhe por 10 minutos, ou até ficar novamente em ponto de geléia.

– Geléia de goiaba: leve a polpa e o açúcar ao fogo, mexendo constantemente, por 20 minutos, ou até atingir o ponto de geléia. Adicione a hortelã picada, mexa bem e desligue o fogo.

– Aproximadamente 10 minutos antes de servir, leve as fatias de brioche ao forno pré-aquecido (180 ºC) até que o queijo fique levemente derretido. Retire do forno e sirva em seguida, acompanhadas das geleias.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

282 views