OLHO VIVO -05-10-17

Dércio Cruz

 Só no Brasil

Tenho certeza de que, o Brasil é o único pais do mundo, onde o governo pega o dinheiro público e  distribui aos políticos para bancarem suas campanhas políticas, se elegerem e continuar roubando o povo brasileiro. Não cabe na cabeça de ninguém, você financiar campanhas políticas. Isso é o mesmo que o cidadão pegar a chave de sua casa, entregar para o ladrão, informando a rua, o bairro e de preferência, a hora que você não vai estar em casa.

Vivendo e aprendendo

Quando você pensa que já viu de tudo, acaba deparando com um fato novo. Lá na minha pequena Itaú de Minas, localizada no sudoeste mineiro, cansados das malezas do chefe do Executivo em nomear parentes para cargos importantes, os vereadores resolveram dar um basta na coisa. Prestes a se tornar um herói, perante a opinião pública, um vereador marinheiro de primeira viagem, resolveu tomar a iniciativa e apresentou um projeto de lei, proibindo o nepotismo que, aliás, já é proibido, mas ninguém cumpre nada. Para ser aprovado, seriam necessários 06 votos dos 09 vereadores, ou seja, a maioria e mais um. Só que, cinco vereadores votaram a favor da proibição ao nepotismo e quatro votaram com o Executivo. Até ai tudo bem. O problema foi que o próprio vereador que apresentou o projeto proibindo a contratação de parentes, votou contra a proibição. Dorme com esse barulho. Em cidade pequena, vai ser difícil ele prosseguir na política.    

 Montando trincheiras

A decisão do ministro Edson Fachin em manter o afastamento do senador Aécio Neves do Senado, assim como, manter a proibição do senador sair no período noturno de sua residência, pode gerar uma batalha entre o Senado Federal e o Supremo Tribunal Federal.  Na semana que vem o presidente do Senado deve enviar um oficio ao STF pedindo a desconsideração do despacho do ministro. Eles entendem que, se for mantida a decisão, a coisa pode bagunçar de vez. Ou seja, podem surgir novos casos semelhantes, principalmente agora com tantas denúncias de corrupção. É esperar e ver o que pode acontecer.

Transtornos

Além do descontentamento que traz a muitas pessoas que reclamam sem parar do horário de verão, aqui na fronteira de modo especial, essa mudança acaba trazendo outros transtornos, principalmente na implantação do horário, já que no pais vizinho a troca de horário e feita com antecedência de duas semanas com relação a Ponta Porã. O problema acaba afetando as crianças e adultos que estudam do lado brasileiro e as pessoas, principalmente acadêmicos que estudam do lado paraguaio. Sem contar ainda, as pessoas que trabalham do lado de cá da fronteira e as que trabalham do outro lado da linha. Uma hora de diferença no fuso horário, faz com que muitos acabam perdendo o horário. A coisa só se normaliza quando o horário passa a funcionar do lado brasileiro, mas volta a incomodar quando acaba a mudança. O Paraguai volta ao horário normal um mês depois que os ponteiros são atrasados no Brasil.

Coisas pra se pensar

No ano que vem teremos eleições para a escolha de governador, deputados estaduais, federais e dois senadores. Sem dúvidas, uma grande oportunidade para os eleitores da região de fronteira repensar na hora de escolher seus representantes. Ponta Porã tem hoje, o quinto maior colégio eleitoral do Estado e conta apenas com um representante na Assembleia Legislativa. Em outros anos, com um colégio eleitoral infinitamente inferior, o município chegou a ter três representantes no legislativo estadual, dois representantes na Câmara Federal e um representante no senado. Hoje municípios menores, contam com representantes nos poderes constituídos. Tem alguma coisa errada. Talvez não seria a hora do eleitor valorizar o candidato da terra. Se é ruim com ele, pior sem ele.

Pesquisas apontam        

Com a aproximação do horário de verão muito questionado por sinal, pesquisas foram feitas junto à população para saber a opinião do povão sobre a mudança. Entre os que aprovam, e os que pedem o fim da mudança, devia prevalecer a vontade da população que prefere mesmo, é o fim do horário político que além de entrar em horário nobre nas TVs e nas Rádios, ainda nos obriga a ouvir tantas promessas que jamais serão cumpridas.

Apelo geral

Ponta Porã já se faz por merecer uma nova agencia da Caixa Econômica Federal. Mesmo contando com quatro casas lotéricas que prestam serviços a CEF e com um posto de atendimento na Prefeitura Municipal é impressionante a quantidade de pessoas que se aglomeram na única agencia da cidade. O problema é que, alguns tipos de serviços são prestados exclusivamente nas agencias. Quem sabe não seria a hora dos nossos vereadores se unirem e pleitearem junto a direção da instituição a implantação de uma nova agencia na cidade. Com certeza a comunidade vai agradecer e muito.

Reabrindo espaço

Muito se falava na possibilidade do atual deputado estadual Flávio Kayatt assumir a vaga de Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado. Porém, com um possível acerto de um acerto político entre o PMDB e o PSDB em apoiar a reeleição do governador tucano nas eleições  de 2018, essa vaga passaria ao atual presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi que também preside a legenda do PMDB no Estado.

Mas, pelos últimos comentários dando conta de que, o ex governador Andre Puccinelli estaria propenso a entrar na disputa e é tido como o nome forte do PMDB, essa vaga voltaria a ser pleiteada pelo parlamentar da fronteira, amigo pessoal e de longas datas do governador Reinaldo Azambuja. Tudo não passa de especulações, mas da classe política pode se esperar de tudo um pouco, até mesmo uma possível aliança entre o italiano e o ex- governador Zeca do PT, inimigos históricos na política estadual. O eleitor que se dane.

Essa é pra acabar

Um vereador de Goiânia apresentou um projeto de lei no legislativo local instituindo no calendário o “Dia do Saci”. O fato como não podia deixar de ser acabou gerando polemica e gozações dos próprios companheiros. O vereador esclareceu que não se trata de um dia específico para o Saci, mas sim, de uma proposta de lei apresentada e encaminhada para as comissões, onde cada vereador pode contribuir e aprimorar a idéia. O objetivo segundo o nobre edil é prestar uma homenagem ao folclore brasileiro. Vai que a moda pega, daqui uns dias pode ser criado o dia da “mula sem cabeça”. Em tempos de crise, nada melhor. Em Campo Grande outro vereador quer castrar “capivaras machos”. O vereador em questão já está sendo apelidado de Chico Capivara. Com tantos problemas sérios olha só a preocupação dos camaradas.

Crise braba   

Por falar em crise, encontrei um grande amigo, ex-vereador que é proprietário de uma casa lotérica e de um motel na cidade. Conversa vai, conversa vem, perguntei sobre o movimento do comércio. Ele me disse com todas as letras que, a lotérica está bombando, mas o movimento do motel caiu mais de 90 por cento. Péssimo sinal me disse ele. Isso mostra que, o povo anda mais preocupado em ganhar um dinheiro mais rápido, do que optar por encontros amorosos.

Mui amigo

Por falar em amigo, eu tenho um que me deu um conselho que nem pra inimigo serve. Preocupado com minha carreira de jornalista, ele me sugeriu algum tempo atrás que, para desenvolver bem minha profissão o ideal seria me mudar pra Capitan Bado no Paraguai, bem no foco do tráfico pesado de drogas e armas, montar um jornal e criticar os envolvidos com o narcotráfico. Segundo ele eu morreria de velho por lá. Como eu não topei a parada, agora ele me deu outro. Que eu me mude para o Rio de Janeiro me instale na Rocinha ou no Morro do Alemão e arrumo uma farda da policia e saio tranquilamente pelos botecos até altas horas. Vai demorar muito pra morrer me disse ele, tentando me animar. Com um amigo conselheiro assim, pode dispensar inimigos. 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

282 views